Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG

contrast-40
lupa-40
Tese e Dissertação

Análise de hemopatógenos em tamanduá-bandeira (Myrmecophaga tridactyla) e em seus potenciais reservatórios, cães e gatos, em zonas de reabilitação e pós soltura na região rural de Uberlândia, Minas Gerais

Autor

  • Resumo do trabalho
    • Resumo do trabalho
      • Tamanduás-bandeira (Myrmecophaga tridactyla) podem se infectar com patógenos comumente diagnosticados em animais domésticos e desenvolver quadros clínicos, subclínicos ou vir a óbito. A disseminação de patógenos é agravada por ações antrópicas, que ocasionam maior proximidade entre a fauna doméstica e silvestre. O objetivo deste trabalho é determinar se os hemopatógenos dos gêneros Ehrlichia, Babesia, Cytauxzoon, Hepatozoon e Leihsmania estão circulantes na população de cães, gatos e tamanduás-bandeira presentes no Triângulo Mineiro. Para auxiliar no diagnóstico, foram realizadas técnicas de detecção direta como esfregaço sanguíneo com sangue periférico fresco, testes moleculares como a Reação em Cadeia da Polimerase (PCR) e sequenciamento nucleotídico, além do teste de triagem imunocromatográfico TR DPP® Leishmaniose Visceral Canina para detecção indireta de Leishmania infantum. Obteve-se um total de 13 amostras de tamanduá-bandeira, 77 amostras de cão e 39 amostras de gato, provenientes da zona rural de Uberlândia. Foram vizualizados trofozoítos e merozoítos, sugestivos de Babesia sp., inclusões plaquetárias basofílicas sugestivas de Anaplasma platys e gamontes sugestivos de Hepatozoon canis. Os piroplasmas estavam presentes em 61,33% das amostras de cão e 10,25% das amostras de gatos, na PCR, utilizando o primer para triagem. Nenhuma amostra foi positiva para Cytauxzoon felis e Babesia vogeli na PCR específica. Hepatozoon esteve presente em 19,48% das amostras de cão na PCR, e o sequenciamento nucleotídico de algumas amostras positivas confirmou a espécie H.canis. Somente uma amostra de cão foi positiva para Ehrlichia monocítica, sendo que o sequenciamento confirmou a espécie E.canis. Todas as amostras testadas no TR DPP®, foram negativas. O tamanduá-bandeira está classificado como vulnerável no Brasil, sendo a espécie foco de programas de monitoramento e conservação. É importante conhecer as doenças que podem afetar a espécie, entre elas os patógenos compartilhados com animais domésticos, direcionando assim estratégias para aperfeiçoar ações para sua conservação.

        Palavras-chave: Xenarthra. Hemopatógenos. Conservação. Animais domésticos.

Defesa

Banca

Titulares:

Dr.(a). Julia Angelica Goncalves da Silveira – Orientador(a)

Dr.(a). Camila de Valgas e Bastos Castro
Dr.(a). Simone Magela Moreira

Suplentes:

Dr.(a). Daniel Ambrózio da Rocha Vilela

Dr.(a). Marcelo Pires Nogueira de Carvalho

 

Observação:

  1. a assinatura da ata e da folha de aprovação pelos membros da banca ocorreráapós a edição e assinatura dos documentos pelo(a) presidente da banca.
  2. a assinatura da ata e da folha de aprovação será liberada aos membros da banca pela secretaria.

 

 

Orientador

Acompanhe a Escola