Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG

contrast-40
lupa-40
Tese e Dissertação

Microtomografia computadorizada e radiografia para análise morfométrica da patela em cadáveres caninos de diferentes massas corporais

Autor

  • Resumo do trabalho
    • Resumo do trabalho
      • O objetivo deste trabalho foi estudar as características macro e microestruturais da patela canina por meio das técnicas de microtomografia e radiografia a fim de fornecer informações necessárias para o desenvolvimento futuro de uma prótese de patela. Para a realização das medidas patelares foram utilizados 70 cadáveres de cães adultos, independente de raça ou sexo, com massa corpórea de 1,0 a 50 kg, sem evidência clínica de afecção na articulação femorotibiopatelar. Os cadáveres caninos foram divididos em cinco grupos de massa corporal: G1:1,0 a 4,99 kg; G2: 5,0 a 9,99 kg; G3: 10 a 19,99 kg; G4: 20 a 29,99 kg e G5: 30 a 50 kg. Após a extração, as patelas foram conservadas em formol 20% e posteriormente escaneadas usando um sistema de microtomografia (Skyscan 1174 x-ray Microtomograph; Aartselaar, Bélgica). As imagens foram reconstruídas pelo software NRecon (Skyscan 1174v2; Bruker microCT, Kontich, Bélgica) e analisadas pelo software CT – Analyzer (Ctan, Skyscan, Bélgica). Foram realizadas as medidas patelares como comprimento, largura no terço proximal, largura no terço médio, largura no terço distal, espessura no terço proximal, espessura no terço médio e espessura no terço distal. Também foram realizadas análises de densidade mineral óssea, volume ósseo, porosidade trabecular, número de trabéculas, separação entre as trabéculas e espessura trabecular. Posteriormente as patelas foram radiografadas nas incidências médio-lateral e crânio-caudal. Para isso, foi utilizado o aparelho emissor VMI (VMI Médica, Brasil) associado a radiografia computadorizada Regius modelo 110 (Konica Minolta, Japão). Foram realizadas as medidas patelares como comprimento, largura no terço proximal, largura no terço médio, largura no terço distal, espessura no terço proximal, espessura no terço médio e espessura no terço distal. Os dados foram apresentados como média ± erro-padrão da média. As diferenças entre os grupos foram analisadas por meio de ANOVA One Way seguida do post hoc de Tukey. Para a avaliação da relação entre as medidas da patela e o comprimento da patela por radiografia foi utilizada a correlação de Pearson. Observou-se de forma geral uma relação entre as dimensões patelares avaliadas por microtomografia e a massa corporal de cadáveres de cães. As medidas patelares por microtomografia apresentaram forte correlação com o comprimento da patela avaliado por radiografia. As medidas microestruturais de espessura do osso cortical, volume ósseo cortical e trabecular, densidade mineral óssea cortical e superfície óssea trabecular apresentaram relação com o porte do cão. Nas condições deste estudo pode-se concluir que as dimensões da patela variam segundo a massa corporal do cão e que medida do comprimento da patela por radiografia se mostrou sensível para estimar as dimensões da patela.

        Palavras-chave: Anatomia Patelar. Tomografia. Prótese. Radiografia. Luxação de Patela.

Defesa

Banca

Titulares:

Dr.(a). Cleuza Maria de Faria Rezende – Presidente – Orientador(a)

Dr.(a). Emily Correna Carlo Reis

Dr.(a). Andréa Pacheco Batista Borges

Dr.(a). Andressa Batista da Silveira Xavier

Dr.(a). Eliane Goncalves de Melo

Suplentes:

Dr.(a). Bruno Ferrante

Dr.(a). Leonardo Augusto Lopes Muzzi

Co-Orientador:

Dr.(a). Juan Carlos Campos Rubio

 

Orientador

Acompanhe a Escola