Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG

contrast-40
lupa-40
Tese e Dissertação

Efeito da auto-hemoterapia menor, auto-hemoterapia menor ozonizada e insuflação retal de ozônio sobre parâmetros hematimétricos e bioquímicos de cães hígidos

Autor

  • Resumo do trabalho
    • Resumo do trabalho
      • A consequência da aplicação do O3 medicinal é a formação de segundos mensageiros que provocam estresse oxidativo controlado, atuando sistemicamente na melhora da resposta antioxidante, imune e circulatória. Algumas das principais vias de administração da oxigênioozonioterapia são a auto-hemoterapia e a insuflação retal. Um total de 21 cães hígidos foi dividido em três grupos: auto-hemoterapia menor/AHm (n=5), auto-hemoterapia menor ozonizada/AHmO3 (n=10) e insuflação retal/IR (n=6) – para cada grupo, foram mensurados e comparados os padrões hematológicos (eritro e leucograma), bioquímicos (albumina, proteínas totais, colesterol, triglicerídeos, glicose, trasaminases (AST e ALT), fosfatase alcalina, lactato desidrogenase, uréia, creatinina, bilirrubina total, ácido úrico, cálcio e magnésio) e enzimas antioxidantes (SOD e GSH-Px). Nos gruposAHmO3 e IR ocorreram alteração dos parâmetros eritrocitários e redução das concentrações séricas de albumina, proteínas totais e triglicerídeos. No grupo AHmO3 ocorreu, também redução da concentração de monócitos. O ozônio intra-retal altera mais parâmetros bioquímicos que a administração de sangue autólogo ozonizado. Aplicações de ozônio retal ou intramuscular – associado ou não a sangue autólogo – causam aumento da GSH-Px em cães hígidos. A administração de sangue autólogo via intramuscular, bem como sangue ozonizado não causam efeitos colaterais adversos em cães.

        Palavras- chave: antioxidantes, auto-hemoterapia, hematologia, O3.

Defesa

Banca

Profa. Fabíola de Oliveira Paes Leme
Dr. Vinícius Ricardo Cunã de Souza
Profa. Adriane Pimenta da Costa Val Bicalho

Orientador

Acompanhe a Escola