10 cuidados indispensáveis para ter com seu cão em dias quentes

09.02.2018

O verão chegou e trouxe com ele as altas temperaturas. Assim como nós sofremos com os dias quentes e abafados os pets também se incomodam e podem ser prejudicados. A época do ano mais esperada pelos seres humanos nem sempre é tão bem-vinda para os animais, especialmente os cães. No verão as altas temperaturas incomodam os peludos e é nossa responsabilidade amenizar os problemas trazidos pelo calor deles.
 
Segundo a veterinária Junia Maria Cordeiro de Menezes, médica do Hospital Veterinário da UFMG, quando o pet está com calor ele emite alguns sinais. “O cão vai apresentar um aumento dos movimentos respiratórios. Ele vai ficar ofegante, respirando com a boca aberta e alguns chegam a apresentar agitação. O dono também irá visivelmente perceber um aumento da temperatura corporal do animal quando ele estiver sentindo calor”, explica. 
 
De acordo com a médica, o calor oferece aos cachorros os mesmos riscos que os humanos estão submetidos quando expostos às altas temperaturas. “Assim como nós humanos não suportamos o calor, o cachorro carregando um casaco de pelos também não suporta e necessita de cuidados extras”. Segundo ela, com as altas temperaturas muitos cães podem desidratar ou apresentar quadro de Hipertermia, pressão baixa, vômitos, insolação e até mesmo câncer de pele. “ A hipertermia pode trazer danos renais, cardíacos e musculares ao cão, ele pode acabar entrando no que agente chama de uma síndrome de acidose e em casos extremos pode levar até a morte”, afirma Junia. 
 
Para evitar esses sintomas no seu animal de estimação, é preciso adotar alguns cuidados. Pensando nisso, reunimos 10 cuidados essenciais que você deve tomar com seu pet em dias quentes:
 
1-  Deixe água fresca sempre
 
 
A água é a melhor forma de ajudar o seu pet nesse verão. Mantenha seu cão hidratado durante todo o dia: ofereça sempre água limpa e fresca sendo que água gelada é sempre bem-vinda. Cubinhos de gelo podem ajudar a manter a água fresquinha e chamar a atenção do cão. É um método fácil e funciona como um incentivo à hidratação. “ Se a água do animal esquenta, muitas vezes ele vai deixar de tomar esta água. Deste modo, tudo que for  dar esse conforto ao animal é interessante sim. Com a água fresca o cão com certeza vai tomar mais”, explicou Junia.
 
 A dica é usar um recipiente maior ou colocar mais de um pela casa, para que ele possa se manter sempre hidratado. Quando você sair para uma caminhada, também sempre se lembre de levar um pouco de água para seu cão. Dessa forma, você irá evitar que ele desidrate. 
 
2- Dê banhos frios
 
 
A rotina de banhos dos cães também deve ser mantida, os banhos podem ser ótimas alternativas para dissipar o calor do seu pet durante este verão. Além disso, o banho é extremamente importante para saúde e higiene dos pets e é um hábito necessário na rotina do seu bichinho.
 
Entretanto é preciso sempre tomar cuidados com os choques térmicos, como preveniu Junia. “Quando seu cão apresentar sintomas de calor ou hipertermia o mais importante é que o tutor jamais de banho frio imediatamente, para evitar o choque térmico. Hipertermia, como o próprio nome já diz, é o aumento excessivo da temperatura do cachorro. Antes do banho, primeiro o dono deve tirar o cachorro da fonte do calor e tentar abaixar essa temperatura com compressas de álcool. Enxarca ele com álcool, que a substância vai evaporar e diminuir a temperatura do animal aos poucos. Mas você deve jogar álcool com abundância, principalmente em partes como a barriga que tem menos pelos”.
 
A médica veterinária também recomenda a técnica de molhar uma toalha e colocá-la sobre o animal, no entanto, sempre com muito cuidado para evitar o choque térmico. “Tem que tomar muito cuidado porque se ele estiver muito, muito quente, é recomendado que primeiro o dono faça a compressa com álcool e só depois use a toalha”.
 
3-  Mantenha seu pet tosado ou escovado.
 
   
Quando o verão chegar diminua o comprimento dos pelos de seu pet, a tosa higiênica ajuda na manutenção da limpeza do animal, além de auxiliar o frescor principalmente para aquelas raças com pêlos longos. Cães de longa pelagem ou na cor escura sofrem mais no calor, pois são mais suscetíveis a ter problemas.  Com a tosa em dia, animais mais calorentos podem encostar sua barriga, sem pelos, no chão gelado e se refrescar.
 
Dizer que a tosa total de cães auxilia no calor é um mito. O pelo, em muitas raças, atua como um isolante térmico. Por isso, tosar Goldens Retrievers ou Huskys pode fazer com que eles sintam ainda mais calor.
 
 
4- Faça passeio em horários alternativos
 
 
As altas temperaturas podem desanimar você de sair ao ar livre, porém, é essencial persistir e continuar com a rotina de exercícios para que o cão possa liberar seus instintos naturais.
 
Nos dias de calor evite passeios com seu pet nos horários mais quentes. Para aliviar, a médica do Hospital Veterinário recomenda que o dono faça passeios em horários alternativo, antes das 10 horas das manhã e depois do sol se pôr. Nos horários de pico do sol, o cão pode sofrer com desidratação, insolação e suas patinhas podem se queimar se o asfalto da rua estiver muito quente. Lembre-se que as patas dos cachorros são muito sensíveis e poderão esquentar rapidamente. Para garantir que não haja queimadura nas patinhas, coloque o dorso da sua mão no asfalto e conte até 5. Se não te queimar, está seguro para seu amigo.
 
5- Limites nos passeios
 
 
Como tudo na vida, exercícios são bons sem exageros. Portanto, sempre respeite o limite do animal na hora dos passeios: tome cuidado para o pet não se exercitar demais! Interrompa a caminhada do animal ofegante, que tenta fugir do sol em busca das áreas sombreadas. Faça pausas frequentes nos exercícios e brincadeiras e ofereça sempre um pouco de água nessas pausas. Durante os  passeios, evite ficar puxando seu animalzinho pela coleira ou ficar correndo, pois eles tem resistência totalmente diferente da nossa, então é sempre importante observar o comportamento do seu cão.
 
Cachorros não possuem muitas glândulas sudoríparas, ou seja, não suam como os humanos. “O suor faz a temperatura do corpo cair para as pessoas. Os cachorros fazem isso através da língua, por isso ficam de boca aberta e ofegantes o tempo todo” afirma a médica veterinária. Cães ofegam pra se refrescar. Diante disso, sempre observe os sinais de superexposição. Se você notar que ele está muito ofegante, leve seu cão para um local fresco e ofereça muita água. Em casos extremos, os animais podem ter febres altas, taquicardias ou mesmo vômitos –esses são sinais de insolação e requer ir com urgência ao veterinário.
 
Uma outra  dica é dar preferência a locais sombreados, com muitas árvores e piso de grama que possuem lagos, chafariz e fontes na hora dos passeios. Opte por locais onde os pets podem se refrescar com maior facilidade e o chão não aquece tão rapidamente. 
 
6-  Cuidado com a alimentação
 
 
Não fique alarmado se o pet demonstrar certa alteração de apetite. É normal que ele coma menos no verão e/ou opte por se alimentar no período da noite, quando as temperaturas estão mais amenas e ele se sente mais confortável. “As vezes quando animal come ele aumenta o incremento calórico dele, e isso no calor pode causar certo mal estar, podendo levar o animal a muitas vezes a nem se alimentar.  Mas não precisa se preocupar, se o cão ficar um ou dois dias sem comer não tem problema, o que ele não pode é ficar sem tomar água” explicou Junia. 
 
Em casa a dica é sempre ficar de olho na ração. Não deixe os alimentos do seu pet expostos ao sol por muito tempo, pois sob altas temperaturas ocorre deterioração da qualidade. Se o pet não comer, retire o alimento e ofereça em outro momento. E sempre descarte as sobras, pois podem facilmente estragar após contato com água ou saliva do animal, já que a umidade facilita a fermentação. “O que você pode fazer é alimentar seu pet a noite ou em um horário mais fresco. Talvez também seja bom mudar a dieta do animal, muitos passam a comer ração super premium neste período”, sugeriu Junia.
 
7- Protetor em cães com pelo curto e claro
 
 
Outra dica interessante para deixar seu pet protegido é, se ele tiver  pelagem branca e curta, passe protetor solar nele. Mas use o protetor específico para pets nos locais do corpo com menos pelagem e mais expostos ao sol, como orelhas, focinho e ao redor dos olhos.
 
Segundo Junia o mais importante não é o pelo é a pele. “Se for um cão que tiver a pele despigmentada, aqueles cães mais “rosinhas”, você tem que proteger mesmo. Já existe no mercado filtro solares específicos para cachorros. É sempre bom também evitar muita exposição ao sol neste calor”. Segundo ela ninguém consegue caminhar com o sol tão forte, muito menos os cachorros. Diante disso, a veterinária afirma que o uso de filtro solar é interessante sim.
 
8- Cuidado extra com cães com focinho curto, idosos, obesos e com problemas de saúde
 
 
Os cães com focinho curto (braquicefálicos), como Pugs e Bulldogs, são mais suscetíveis a hipertermia e choque térmico no calor. “Cães como Pugs e Bulldogs tem o focinho curto e tem o  palato alongado, que chega até lá no fundo da faringe. Estas raças têm mais dificuldade de fazer essa troca de respiração. Então, se é um dia quente que ele vai ter que fazer essa troca de maneira mais efetiva é extremamente perigoso a sua exposição ao calor. É bom tentar manter o animal em locais bem frescos. Não andar com ele no carro nem com ar condicionado.” esclarece a médica.
 
Os pets idosos, com sobrepeso, problemas cardíacos ou respiratórios também precisam de cuidados extras: mantenha-os o máximo do tempo em locais com ventilador ou ar-condicionado. Se possível, mantenha a pelagem sempre curta durante o verão e ofereça bastante líquido. Fique muito atento aos sinais de desconforto e mudanças de comportamento e alimentação. “Cães com essas especificidade é bom evitar o máximo o calor e o stress”, sugeriu Junia.
 
 
9- Manter o pet em ambiente fresco e com sombras
 
 
Em casa, sempre se procure manter o seu animalzinho em locais frescos e com sombras. Se o seu cão vive em área externa, garanta que ele tenha sempre um local mais fresco e com sombra para se alimentar e descansar protegido do sol.
 
Cuide para que o espaço onde ele fica tenha ventilação necessária. Se for um ambiente natural, muito melhor. As refrigerações artificiais, muitas vezes, podem piorar a saúde dos animais de estimação. O local onde seu pet se abriga também deve estar protegido contra os efeitos da natureza. Se necessário, mova a caminha ou a casinha para um lugar à sombra e longe da chuva. Se a casinha não for arejada, faça adaptações para refrescar o pet.
 
Libere o acesso do seu cão a locais onde os pisos são de porcelanato ou cerâmica por exemplo. Ao encostar a barriga sobre o chão fresco, o animal se refresca. No asfalto, em pedras quentes ou pisos expostos ao sol, o cão acaba sentindo mais calor e pode sofrer queimaduras.
 
Uma dica importante é jamais deixar seu pet dentro do carro durante o dia. Não deixe-o sozinho nem por 5 minutinhos, nem com a janela aberta! Nunca! No verão, as temperaturas sobem e, às vezes, atingem níveis extremos. A temperatura dentro de um carro pode subir até cinco graus em 15 minutos em dias com sol. E as janelas abertas não ajudam em nada. Trancado dentro do carro, seu cãozinho pode sofrer insolação. Se você não puder evitar, deixe o carro em um local com sombra para que ele possa ficar em um lugar fresco e seguro. Não se esqueça de que, para um animal, permanecer trancado em um carro pode ser mortal.
 
10- Proteção contra parasitas
 
 
O forte calor e a umidade compõem o ambiente perfeito para a ação das pulgas e dos carrapatos em cães e gatos. Além da dermatite alérgica, causada pela picada das pulgas, a tênia também é transmitida pelas pulgas. Já os carrapatos podem transmitir erliquiose, babesiose e febre maculosa, zoonose que pode ser fatal também para as pessoas. Portanto, é essencial que o seu cão esteja com os medicamentos ou métodos de profilaxia em dia. Caso seu pet apresente qualquer alteração de comportamento, como excesso de cansaço, falta de ânimo, ou questões físicas, como vômito, gengiva esbranquiçada, desmaio, falta de ar, leve imediatamente ao médico veterinário.
 
“O cão está hoje em todo lugar. É essencial que você use os produtos preventivos que o mercado oferece. É importante dar banho, tosar, vermifugar, usar medicamentos no pelo do animal e coleiras que evitam as pulgas e carrapatos”, afirmou a médica Junia Menezes. 
 
Compartilhe:
Escuela de Veterinaria de la UFMG
Av. Antônio Carlos 6627
Caja Postal 567, campus Pampulha de la UFMG
CEP 31270-901. Belo Horizonte, MG
TELÉFONO DE LA ESCUELA: +55 31 3409-2001
TELÉFONO DEL HOSPITAL VETERINARIO: +55 31 3409-2000